domingo, 17 de maio de 2009

Ponto de situação

Tenho uma fixação por esta montanha. Passo por ela quase todos os dias. Creio que esta fixação vem do facto de ela se encontrar, tal como eu, só. Ergue-se sozinha, relativamente distanciada das outras montanhas. Assim como eu estou relativamente distanciado de toda a gente. Simboliza um pouco a minha passagem por esta Argélia. Onde me ergo só, orgulhosamente só, por me sentir diferente. Sempre o senti um pouco por toda a minha vida, mas aqui essa diferença é anormalmente grande. Tanto nos valores, como nas crenças. Na diferença cultural e religiosa. Isso até ficaria diluído, no meio destas gentes, não fosse o factor japonês. Vir aqui encontrar uma cultura mais fundamentalista que os próprios argelinos, era a última coisa que esperava. A Argélia é consensualmente rotulada como País fundamentalista na Europa e mesmo os Argelinos moderados com quem falo encaixam bem o facto de em conversas com eles lhes dizer na cara que são um povo fundamentalista.

Encontro-me como esta flôr. Rodeado de espinhos, numa doce rotina em espiral de "me, myself and i". É incrível ver durante um ano uma empresa, que embora seja um dos maiores construtores mundiais ,não tem experiência em construcção de estradas. E fechados e orgulhosos como são não dão ouvidos a ninguém nem aceitam recomendações nem conselhos. Excepções também existem, embora sejam uma minoria. Tenho a sorte de serem as pessoas com as quais trabalho mais directamente. Neste momento encontro-me numa boa situação profissional. Tudo estável e a confiança no nosso trabalho (equipa luso-espanhola espalhada pelos diversos acampamentos) está a um bom nível. Renovação contratual entre empresas à vista, possibilidade da compra de mais equipamentos que necessitarão do nosso suporte técnico. O que implica mais formações e certificações. Devido a esas razões decidi melhorar a minha qualidade de vida por aqui com a compra de uma televisão, antena parabólica e alguns "gadgets," para estar mais distraído em "Guantanamo 2", como "carinhosamente" chamamos ao meu acampamento. And so it goes... Num registo de complicado, mas cada vez com mais sentido. O caminho continua com mais força depois de umas excelentes férias!! Cheias de amigos queridos e presentes. Cheias de emoções vividas, sentidas e ainda não todas absorvidas!!

8 comentários:

Deus...anteriormente conhecido como Alceu. disse...

Ainda tou à espera da visita do brother aqui à terra do bacalhau.

Coelho disse...

:)
abraço

catizzz disse...

Gosto de montanhas e de papoilas. E tu és com certeza outra maravilha da natureza! Hang on, stay cool. E quando voltares, vamos a mais uns folhadinhos de chèvre!

Devir disse...

A subida da montanha é diária. Todos os dias trepamos mais um pouco, alcançamos mais um objectivo, um local seguro para ficar. De manhã voltamos á carga e a altitude a determinada altura torna o ar mais rarefeito. Torna-se mais dificil a progressão, mas a vista é maior, mais ampla, mais profunda. Muito mais bonita. A luz começa a ser incrivel e os datalhes passam a ganhar um importância muitas vezes fundamental. E continuamos. Subindo. Até atingir o topo. Olhar. Sentir. Abrir as asas e voar.

Até logo numa nuvem qualquer meu querido amigo.

***

Obrigado pelo power do teu blog. Hoje ajudou-me a saltar de uma ravina para outra e a continuar confiante a subida.

Anónimo disse...

"Só quando você chegar ao topo da montanha é que começará a subida."

Khalil Gibran

Jakk disse...

Não aprecio muito comentários de anónimos, acho que as pessoas devem dar a cara pelos seus argumentos. Por uma questão de transparência, e nem percebo o porquê de se esconder. De qualquer maneira, obrigado. Investiguei sobre Khali Gibran, gostei e vou continuar. Obrigado!

Devir disse...

Granda Gimbran!

Anónimo disse...

Foi puro esquecimento.Não há a minima necessidade de muros, máscaras ou anonimatos. Cláudia M.