quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Journeys


O que não falta por aí hoje são medicinas e terapias alternativas. Fala-se de acunpuctura, reiki, shiatsu, yoga.
Fala-se de religões como o budismo ou o hinduísmo. Fala-se de espíritos e de reencarnação. Fala-se da enormidade do Universo. Dimensões paralelas. Fala-se de "DEUS". Não o Deus que se associa mal se lê a palavra. Não de um Deus de barbas sentado num trono. Um Deus que nos olha com superioridade e ao qual devemos pedir penitência e piedade. Não um Deus como o qual falam aqui onde me encontro. Um Deus do qual se deve ter medo. No começo destas novas/antigas religiões, havia o medo. Medo da tempestade, medo do terramoto, medo do Sol, medo da Lua. Medo do desconhecido, do inexplicável. Medo da Natureza. Estas religões têm inúmeros pontos comuns com outras religiões anteriores. Desde aos Egípcios, Mayas, Aztecas ou outros que mais. Do Índico, do Pacífico. Deuses ou semi-deuses nascidos a 25 de Dezembro que morreram por três dias e depois ressuscitaram, anteriores a Jesus Cristo, conhecem-se pelo menos Treze (nice number). Dou um exemplo, Hórus, Deus egípcio do céu e da guerra.
A realidade é que sempre se olhou para o oculto, para o desconhecido. A diferença é que agora se olha com curiosidade, com esperança, com vontade de experimentar. À parte dos cépticos e dos sobre-encantados, que acabam crentes de uma seita duvidosa qualquer, conheço cada vez mais pessoas inteligentes, sensíveis e "humanas" na verdadeira acepção da palavra , que se aventuram nestas novas descobertas de coração aberto. Eu próprio me incluo nesse mesmo lote. Claro que virão seitas e pseudo-religiões, mas também este mundo só vai evoluindo um pouco no bom caminho devido a extremismos minoritários. Põem toda a gente em guarda. Uma coisa é certa, essas pessoas que conheço, evoluiram para um estágio melhor, maior. Mais rico, profundo, benevolente e tolerante. Essas pessoas experenciaram coisas, sensações, visões... Essas pessoas, hoje, são um pouco melhores do que eram ontem. Aos cépticos digo para tentarem alargarem um pouco o seu campo de "visão". No mínimo o que isto traz, é que há cada vez mais gente com vontade de olhar um pouco para dentro. De se conhecer e de se melhorar. Daí não pode advir nenhum mal. E para os outros, aceitem o caminho, assumam as vossas escolhas e abracem os vossos erros. E sintam, fluam, voem e flutuem. Não há coincidências. Ou se calhar há, mas não são "meras" coincidências.
Eu fui ver! Eu senti! Eu gostei! Eu vou continuar a tentar abrir mais o meu coração e dar. Assim como espero ser capaz de receber tudo o que a mim me têm dado! O maior desafio está cá dentro, onde também talvez esteja "Deus". E o paraíso não tem que ser no Céu. Pode talvez ser aqui... na TERRA. Por nós e pelos que vêm a seguir.

Uns mais perto, outros mais longe...
Obrigado por me fazerem gostar de EXISTIR.

5 comentários:

G.Hari disse...

:) não somos seres físicos a experimentar a espiritualidade, somos seres espirituais a brincar no plano físico::: plim:plim:plim!
Este é o verdadeiro paraíso. Somos DEUSES plenos de PODERES e MAGIA!
Co-criemos então para fazer desta journey, a melhor de todas :)
A vida é a melhor de todas! Obrigada querido Jakk. keep flying que o teu bater de asas é divino!
*plim*

catizzz disse...

Cresci com a ideia que a fé era coisa de ignorantes submetidos às regras de instituições religiosas obsoletas, hipócritas cujo único objectivo seria o exercício do poder.
Não mudei a minha ideia sobre essas instituições religiosas, antes pelo contrário. Esta foi-se consolidando ao longo do tempo.
Mas mudei em relação à ideia que tinha de fé e do exercício da espiritualidade. Hoje busco esse encontro porque tudo o que vivi me indica que a frase que inicia o comentário anterior é verdade. Somos seres espirtuais e a negação disso só nos tem afastado uns dos outros e de nós próprios. Estou nesse caminho, tal como tu amigo. Sinto que é longo e sujeito a duras provas. Já tentei voltar atrás mas percebi que não é possível. Há coisas que depois de reveladas, nos transformam irremediavelmente.
Acredito.

Anónimo disse...

Andaste a ver Kymatica?

Devir disse...

Sublime e muito importante este post.
Até logo meu querido e obrigado pela "obrigatoriedade" da visita. Continua, é sempre muito bom.

Estamosjuntos,
Abraço.

Yola disse...

Também eu gostava de um plim! Acredito piamente que o paraíso está aqui em baixo se a gente assim o entender, porque o inferno... esse..... pffff.... enfim.... Viver a vida é o que tá a dar ;)